Manu Lafer

Músico e Compositor

Doze Fotogramas

Doze Fotogramas

The 13 tracks of this album (despite the title’s suggested “doze” – twelve, in Portuguese) develop the original body of work that began in Baião da Flor, Manu’s first CD. It takes this path through what João Gilberto called “mantras” – as in Estrela Guia or in other, humorous ones, like A Gente Podia, with the lyric that seduces by inviting to “see planes take off”. Cidade Inacabada, a bossa nova exaltation of whimsical, yet subtle, modulations, pays homage to São Paulo. Participating are Monica Salmaso, José Miguel Wisnik and Danilo Caymmi – this latter starting on what will become an assiduous partnership that originated in his seeing Manu on a television program, which the author of Andança settled on by chance during a “zapping” session with his remote control.

Release by Guilherme Wisnik

Doze Fotogramas is a consolidation piece. After Baião da Flor (1998), his debut album, Manu Lafer brought together the threads of what could still be seen, in some ways, as a catalogue of genres, to delve deeper into his own journey. This is a poetic-musical verticalization based on a persistent theme. Manu systematically avoids emotional outpourings, torn afflictions and romantic ballads. His poetry develops over a duplicity that tends to leap from this intermediary, at times focusing on light, banal themes, in the form of chronicles, at others on philosophical, existential thoughts. This alternating pattern can also be seen in the previous album, if we look at Eu Vou te Pegar on one side and Deusa Densa on the other, for example.

Also present is a certain – direct and indirect – reading of the popular Brazilian songbook. Sabrina and Gente 3 are explicit references to Marina (by Dorival Caymmi) and Gente (by Caetano Veloso). But, there are also subliminal readings, connections and affinities processed deeper underground. Gilberto Gil, for example, is a hidden presence in A Lente do Homem, one of the high points of the album. I am referring to the poetic elaboration of the theme of religion and science, pointing out the human sense in the mystery, in the synchronized leap from the micro to the macro, from the sky to the fetus.  The solution Manu found, with an undulating melody that always seems to extend instead of resting, bears a touching and original lyricism.

Also in Doze Fotogramas, the song that lends its title to the album, the synthetic effect of the song-lyrics relationship is a happy one. “Visually”, the lyrics explore the dreamlike suspension of the melody by Danilo Caymmi, constructing photographic snapshots over which time runs (“they are three and spill you over”). In this pulse, the connotative effect likens the intimacy of a couple (bag, lipstick, photo album) and the theatricality of a representation (photo, cinema, soap opera). Without wanting to force the point, I see, here, a conversation with the universe of Chico Buarque, where A Mais Bonita serves as the backdrop. In Manu’s instant, the click is like a mirror facing someone putting on make-up, or being made up.

Alongside these songs, as I mentioned at the start, there are also those that play with popular language, with set phrases, jargon and puns purposefully rubbing up against a certain shallow mischief, one void of charisma. Such is the case in A Gente Podia, for example, which deals with romantic near misses underlying an apparent ease of the initial arrangement between men and women, of the getting closer without the fluff that characterizes it. In No Fim Das Contas, we also see a description of someone who would like to do one thing, but ends up doing another, all the while awkwardly dealing with the intimacy that turns out to be deep, without special effects, with affection free of affectation (forgive the pun).


Tracks

1. Memória - (Manu Lafer)

Toda memória tem seu preço
Como os encontros têm começo
Ogivas e rabiscos
Recintos, corredores, labirintos
Do primeiro olhar
(do sonho de olhar)

Toda memória tem urgência
Como os amores, diferenças
Traçados e desvios
Os pátios, dissidências, desvarios
Do primeiro olhar
(do sonho de olhar)

Toda memória é imcumbência
Como os sorrisos são ausência
Passeios imprecisos
Gerânios de gerúndios impassivos
Do primeiro olhar
(do sonho de olhar)

Toda memória tem seu erro
Comos as paredes devaneio
Desterros, extravios
Ou flores nos cimentos abrasivos
Do primeiro olhar
(do sonho de olhar)


2. A Lente Do Homem - (Manu Lafer com Monica Salmaso)

Eu leio o céu de baixo
Até sem telescópio
É que o céu sou eu
Porque o céu é um ser
Eu leio a mão de cima
Até sem microscópio
É que a mão é d’us
Porque a mão é um ser

E se a lente do homem
Vê d’us, onde a lente
De d’us vê o homem
Saber é a imagem da fé
Que do outro se crê
E se do núcleo da célula
A íris espelha o destino
O dilema: ou a morte
Ou o bom e o belo e o dom

Eu leio o céu de baixo
Até sem telescópio
É que o céu sou eu
Porque o céu é um ser
Eu leio a mão de cima
Até sem microscópio
É que a mão de d’us
Porque a mão é um ser

E se o amor é a fé
Que do prisma do afeto
É o fim que é o feto
Onde o ventre é o teto
Que o tato tocou
E porque há sinfonia
Há também harmonia,
Há também melodia
E o dia e o ia e o a que criou


3. Baião De Dois - (Manu Lafer)

Ô, minha santa
Leva a fumaça
Que levanta a caravana
Ô, meu benzinho
Serve o carinho
Que atravessa na garganta
Ô, meu apego
Vai como um ponto
Na distância que desponta

Ô, baião de dois
Ô revelação

Lé com lé
Cré com cré

De mamando a caducando
De pegado a cafundó
Todo mundo vive só
(todo mundo vive só)

Com que faca de feriste?
Com que amor te acostumaste?
De que impura fomitura
Tu provaste e aprovaste?
Com que vento imterrompeste
Meu querer que provocaste?

Com que vinho te gabaste,
Com que fúria arrepiaste,
Na carreira dos destinos
Que certeira me rasgaste?
Com que espuma, com que bruma?
Com que feno, com que sono?
Com que filme, com que arte?

Ô, minha prenda
Leva a mentira
Põe e tira a minha venda
Ô minha preta
Por sentimento
É que me finjo de poeta
Ô, menina
Em tua rima
É que me ensino da narina

Ô baião de dois
Ô rebentação

Lé com lé
Cré com cré

De mais zelo a desmazelo
Da mirada ao atropelo
Todo mundo vive só
(todo mundo vive só)

Meu sorriso tu me deste
(lume que tu me alegraste)
Que furtiva comitiva
Dispuseste, acompanhaste,
No alvoroço em que irrompeste
Qual caroço e tempestade?

Com que fel, qual azedume?
Que amargor, qual aziúme?
Na poeira dos destinos
Te abracei e me abraçaste
Com que espuma, com que bruma?
Com que feno, com que sono?
Com que filme, com que arte?


4. Qual Palavra? - (Manu Lafer com Cris Aflalo)

Beijo do desejo
Vejo mesmo preso
Minha voz te libertar
Vou falar

Ouço o chão que vôa
Para a tua pessoa
Que eu não morra
Ao te encarar
Vou falar…

Todo mundo quer sem ter
Quer sentindo se perder
Da palavra
Qual palavra…
Quer dizer aquilo que
Nos trouxe meu coração de ti?


5. No Meio - (Manu Lafer)

Ah, por que tudo é eterno?
Ermo do inverno é florir?
Onde paramos e termos
Términos do prosseguir?

Ah, por você não passarmos
Das horas puras por vir
Outra do um, não para vermos
Vício dos ciclos surgir

Ah, eras tudo o que eu quero
Eros e amores em si
Onde um à outra nos demos?
Onde do meio é que eu vim?
Ah, para não continuarmos
Só começarmos a rir
Sílabas beijos e jogos
Nossos desejos no sim

Ah, eu veria essa moça
Escassa, vir
Para que prostrada
Mostrasse e estrada
Aproximada dos sem fim


6. A Gente Podia - (Manu Lafer)

A gente podia… Sei lá…
Se conhecer melhor
A gente podia… Sei lá…
Dar uma volta, pegar um ar
Porque eu já estou
Confundindo as coisas
Porque eu já estou cheio
De segundas intenções
Tamos aí, vamos curtir esse momento
Ver avião decolar, ver avião decolar

A gente podia… Sei lá…
Tem fogo aí? Que horas são?
A gente podia… Sei lá…
A noite é uma criança
Você brilha mais do que o luar
Você gosta de praia?
Eu te levo ver o mar
Você gosta de festa?
Eu te levo para dançar
Não gosta de nada?
Eu te levo para o aeroporto
Ver avião decolar, ver avião decolar

Porque mesmo nao tendo
Sido feito um para o outro
Homem e mulher
Sempre têm a ver
Sempre têm um momento
De carinho para se entender
De carinho para se entender


7. No Fim Das Contas - (Manu Lafer)

Eu queria comprar
Um presente bem caro
Para dar para você
Um anel de diamantes birlhantes
Para dar para você
Mas longe de você
Eu só consigo encontrar
Bijouteria barata
(e você vai pendurando sem graça)

Eu queria comprar
Uma roupa colorida
Para pôr em você
Um vestidinho bem curto e bem justo
Para pôr em você
Mas quando eu chego nas lojas
Eu gasto tudo nos tubos
Só te trago farrapo
(e você vai desfilando sem graça)

Quanto mais nos chegamos
Mais nos deixamos tímidos
É tanto tempo junto
E eu tenho medo de perder você
E o que é que eu posso dar
Para uma pessoa que diz
“olha, como a lua está bonita” ?
As nossas mãos nos tocando
(e nós de mãos abanando)

E no fim das contas, e no fim das contas
E no fim das contas, e no fim das compras
Eu quero me casar com você


8. Se Couber - (Manu Lafer)

Mais do que a tua falta
Senti tua presença
Não exagero o que é te ver
Quando há amor
Então não há porquê

Mais do que amor eu sinto
Que com você existe
O sentimento de saber
Continuar
O que sou de você

Se eu por você insisto
Que eu em você consinto
Na liberdade de escolher
Nos dar amor
Se amor couber nos ter


9. Doze Fotogramas - (Manu Lafer)

Primeiro eu te aperto
Bate a foto três por quatro
É perto como um quarto
No contato do cinema
Na briga da novela
Eu reviro a tua bolsa,
Passando-te o batom
Eu borro o álbum de retrato
(eu borro o álbum de retrato)
Você pacere louca
E eu não espalho só na boca
São três e te derramas
Foram doze fotogramas

10. Sabrina - (Manu Lafer com Danilo Caymmi)

Sabrina, sabia sabrina?
Morena, menina
Você recusou
O doce de coco batido
Que eu pus com biscoito,
Servi com bombom

Sabrina não quer canjebrina
Despreza o suspiro
Que leva o licor
Sabrina não bebe bebida
Não come comida,
Começa, acabou

Sabrina não quer caloria
Saliva escondida
Borrando o batom
Sabrina, você que se pinte,
Você que se lixe
Que aprenda o que é bom

Sabrina mulher de quinhentos talheres,
Dos ossos e ofícios do amor
Sabrina sumida,
Sabrina sofrida,
Sabrina se acaba,
Você já é magra,
Me paga se diminuir
Minha mulher

Sabrina, sabia sabrina?
Morena, menina
Você desdenhou
O caldo da profiterole
E o meu rocambole
Já se mocozou

Sabrina jantou, se acabrunha,
Com fome de unha,
Seu prato dá dó
Sabrina abusou da rotina
Dieta de tina,
Legumes em pó
Sabrina já está definida
Sarada e curtida
Queimada de sol
Sabrina só anda na linha
Só quer coisa fina,
Que vá deitar só

Sabrina mulher de quinhentos talheres,
Dos ossos e ofícios do amor
Sabrina sumida,
Sabrina sofrida,
Sabrina se acaba,
Você já é magra,
Me paga se diminuir
Minha mulher


11. Estrela Guia - (Manu Lafer)

Eu mostrava e você já sabia
Eu brincando e você já sorria
“eu querendo, você “maravilha””
Eu deitava e a gente não dormia

Mas um dia eu me senti distante
E eu vi que o mundo mudaria
Que você também já era outra
E nem tudo teu me pertencia

Olhe, estrela guia
Eu pensei que você fosse minha

Mas se em dia você me abandona
Eu não te esqueço nunca
Eu vou morrer na vida


12. Cidade Inacabada - (Manu Lafer)

Sofrer é da tua envergadura
Loucura, é você quem me procura

Me deixa gostar de você
Me deixa atrever ter você
Apesar da miséria da
Inacabada cidade que não se fará
Minha diva há de vir dadivosa dançar
Minha musa, de minha amorosa,
Rapsódia, sem moda,
Alcançou teu cantar

Expulsei o teu desprezo à minha rosa
Te ver já não é suplício de amor
Aturei os teus costumes de teimosa
Te ver já me dá a força, que eu sei,
Você goza por crer
Que eu devoto em vão,
Um abraço na multidão
(solidão se mistura)

Agrura
És cativa e és clausura
Costura
A razão que em mim te jura
Quando o piso encher
Quando o asfalto arder

Deixa ter tua promessa apaixonada
Sorri para me dar sentença de amor
Deixa ter teu ciúme, que te evoca
Te despe do som
Que à noite, na luz, se aloca
E desloca a visão
Sorve teu sal, salga-te a mão
Te amarra à minha ilusão

Destoa
Carne à carne, morna e crua
Garoa
Desmorona a criatura

Me deixa morar em você
Me deixa ver a nação
Danação!
Emoção sobrevôa a favela
É a rosa, e a rocha!
(é o rosa, é a rocha!)
Teu barranco é pro céu que te arrasta
Ao rasgar teu arranha-chão
Dá cidade, dá salvação


13. Gente Número 3 - (Manu Lafer com José Miguel Wisnik)

Alvenaria do rio tietê
Faz cingapura, cdhu
Beco e tijolo, que empurra e detém
Sem rua, sem teto, sem ter
Rogério, barboza, joão e josé
Guilherme, ricardo, enrico e lelê

Amor vale sangue, anima origame
Porque bumerangue ele é

Ponte remedios, concreto pendor
Deu rebuliço, banzé, deu xabú
Pata e não crina do olhar mercador
Esmola no acelerador
Lucila, fernanda, claudinha, erecê
Dadá, luciana, renata e alê

Quem for de domingo, que vá de cavalo
Quem for de menor, vá de a pé

Sigo essa linha pro risco correr
Luz da fundanga do anhangabaú
Fio de pavio do refúgio do ser
O osso do povo é nascer
Nico, tiago, marcelo e inês
Erika, lidia, ulysses e cris

Você que me ouça, você que se dane
A lua é que é de maré

Meia palavra, mau empreendedor
Não só afirma avestruz no tatu
Túnel, guindaste, sobrado e metrô
São paulo para vereador
Alice, naiara, ju, clara e bru
Pedrinho, sophia, mila e moacyr

É tudo na vida saber encontrá-lo
Atalho, místerio de fé



Where to find

Tratore Amazon Deezer Play-Store ITunes Spotify

Scroll Up