Manu Lafer

Músico e Compositor

Frum

Capa_Frum

Frum é o tributo pop e world music de Manu Lafer à tradição musical, mística e litúrgica judaicas, que foi gravado nos Estados Unidos e é voltado sobretudo às crianças, mas, como educação lúdica e estímulo à curiosidade, também aos adultos.

Expressão e palavra, frum faz tanto referência à figura estereotipada do observante como ao elogio de quem vive e tem familiaridade por esta tradição artística, musical e cultural.

São 12 canções, equiparadas às 12 tribos, cujas bandeiras, inspiradas no Midrash, da tradição oral, estão representadas, com seus símbolos e cores, no projeto gráfico por Spett Art Studio (na versão física da prensagem limitada).

Frum também dá nome a uma das canções. É uma canção feita de pai para filho, inspirada na tocante Memo To My Son, de Randy Newman, que aliás vem de uma família que há um século faz sucesso na trilha sonora de Hollywood, e, não por acaso, tem seu grande sucesso num filme da Disney, Toy Story.

A canção Frum fala da capacidade dos pais de herdarem dos filhos e de se sonhar com ir além das fronteiras (como a nave berço do Superhomem e a nave mãe Enterprise de Jornada Nas Estrelas). Frum, Zhonguo, ambas em inglês, e a A Lente Do Homem, em português, todas compostas por Manu Lafer, estão em meio ao conjunto predominantemente cantado em hebraico.

Zhonguo trata da presença judaica na China e da Sabedoria talmúdica, também da tradição oral, que versa sobre a cor da pele, permitindo indiretamente entender porque judeus podem ser, surpreendentemente, chineses. A Lente Do Homem, aqui em versão dançante do Leste Europeu, é a música mais conhecida do autor, tendo sido gravada por Cris Aflalo, Monica Salmaso, Ná Ozzetti e Mateus Aleluia.

Das canções em hebraico, uma é versão de O Bem Do Mar, de Dorival Caymmi, lançada nos anos 70 e vertida pelo poeta Yaakob Shabtai, e as 8 restantes são da liturgia, sendo 7 do serviço de Shabat. O Salmo 139, cuja música foi feita por Manu, e é dedicada à família Steinsaltz completa o repertório em hebraico.

A presença judaica na música pop americana, em contraste com a música erudita, folclórica e a do Songbook Americano, está discutida pelo jornalista Scott Benarde em Stars of David. Os arranjos, de concepção deliberadamente pop (pois já havia muitos trabalhos bem sucedidos com o repertório adotando o estio folclórico, erudito e de jazz), foram feitos pelo produtor Sandro Albert., que tocou violão, criou introduções, intermezzos e codas e inovou ao escrever extensamente para o oboé da musicista erudita Michelle Farah.

Swami Junior gravou o violão conforme a composição Zhonguo surgiu, na China. Amos Hoffman é israelense radicado nos EUA, um nome internacionalmente famoso do oud, instrumento que Lincoln Olivetti usara com Manu no arranjo da música Ta Shemá, que, com o repertório do disco homônimo, aproximou Manu de John Pizzarelli, dando início a uma frutífera colaboração. Lionel Cordew (Spyro Gira) e Bashiri Johnson (Michael Jackson) são expressões máximas da bateria e da percussão.

Nos vocais, as performances dos virtuosos Darryl Tookes e Sachal Vassandani estão potencializados pelas vozes de Pam Steebler e Iara Negretti. O baixo elétrico contagiante de Alex Blake e o baixo acústico seguro de Michael O’Brian conduzem em todo o percurso.

Faixas
1. Frum
No Tony, No Grammy, No Emmy, No Oscar
No Score, No Nobel, No Prize
When people stare, they tug and seize
The good extracted from them

How come, they don’t know me?
I’ll never repair them
Our Joys, Our Pains, Our Blessings
There was a day i couldn’t walk
And now who’s crawling with me?

I father my father, My mother inherits
From me or actually you
The sun exists, It moves and sings
Or waits in silence with us

Life is better than a miracle
Me and your mother dance
Running away, Coming back and again
On endless earth, As a soul does to GOD
Bold as a pod, Out-and-out as a tot
Where no man has gone before,
With no harm in his realms

Humming the through and the words of a tune (2x)
Only you can talk me through
Frum, Frum, Frum, Frum, Frum, Frum, Frum

Músicos:
Manu Lafer – voz

2. Zhonguo
Jew the world
And world the Jew
Shanghai, Kaifeng, Harbin, Hong Kong
(2x)

Our skin’s not dark as a cushite,
Not white as Ashkenaz
We’re kins of many skins
(2x)

Músicos:
Manu Lafer – voz

Onde encontrar

Tratore Deezer ITunes Spotify

Scroll Up